domingo, 28 de agosto de 2011

ESTIMADO (A) CATEQUISTA,

A Igreja recorda hoje o seu dia, com o coração cheio de alegria, agradeço ao Senhor por todos vocês que realizam um serviço de amor a Jesus e a sua Igreja através da catequese.

Ser catequista é um dom de Deus, confiado a nós pela Igreja, somos testemunhas qualificadas do anúncio de Jesus, caminho, verdade e vida, pelo seu exemplo catequista muitos irmãos estão trilhando a vida cristã, motivo de alegria, e certeza do dever cumprido.

A tarefa da catequese é confiada a toda comunidade, porém nunca poderemos dispensar a figura do catequista, é ele integrado na comunidade, conhece bem sua história e suas aspirações, é aquele que sabe animar, totalmente dedicado ao serviço da Palavra, tornando-se porta-voz da experiência cristã de toda a comunidade.

O catequista deve ser antes de tudo um amigo de Jesus, capaz de despertar em seus catequizandos um amor generoso a este Amigo, gerando comunhão de pensamento, de vontade, atitude de amor ao Senhor.

Obrigado Senhor, pelos que foram meus catequistas, pelos catequistas de minha paróquia, os de nossa Arquidiocese de Maceió,  pelos inúmeros servidores da Palavra na catequese em nosso Regional Nordeste 2, obrigado catequista por ensinar os filhos/as da Igreja a viver intimidade com Jesus, estes imitando seu exemplo buscar a vida Nele, profundamente enraizados Nele.

Que a Virgem Maria “Catecismo Vivo”, Serva da Palavra, seja modelo de vosso labor e auxílio na missão bela e desafiadora de ser catequista. Que o Senhor  recompense seus esforços e torne fecundo vosso trabalho.

Obrigado e parabéns a todos os catequistas!

Pe. Elison Silva dos Santos, da Igreja de Maceió
Coordenador da Comissão Regional para Animação
Bíblico-catequética Nordeste 2

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Diocese de Caruaru: Religiosos e Religiosas: sinal de contradição!


Num mundo onde os excluídos são cada vez massa sobrante, onde o individualismo, o sentimentalismo, a sexualidade desenfreada, e as relações são descartáveis, onde a pessoa vale pelo que possui e pode produzir, nesse mundo sem Deus e sem amor, ser religioso/a é ser um sinal de contradição, de denuncia e esperança, de fé e compromisso com o Deus da vida, o Deus de Jesus de Nazaré.

Neste dia das religiosas e religiosos, saudamos a todos com a graça do senhor e oramos por sua fidelidade ao mestre na missão que se propuseram realizar em suas vidas e na vida igreja. Parabéns!

Diocese de Campina Grande: Renovação nas Coordenações Diocesanas


Na ultima reunião com os coordenadores paroquiais do Zonal Cidade, dia 12/08, entre outros assuntos, foi anunciada a saída dos coordenadores: Giselma Alves, Mª José Porto, Mª da Glória e Ricardo Soares,da Coordenação Diocesana de Catequese ( Sacramento da Eucaristia ). Estes, desempenharão suas funções até o III SEMINÁRIO DIOCESANO DE CATEQUESE, quando serão apresentados os novos coordenadores. Em 13/09, no Convento Ipuarana, Lagoa Seca, acontecerá um encontro para apresentação das NOVAS COORDENAÇÕES DIOCESANAS, de todos os segmentos diocesanos (serviços, movimentos, pastorais, associações), com Coordenação de Pastoral, padres e o Bispo D. Jaime Vieira Rocha.
À todos, obrigado!..Deus os cubra de bençãos!!!

Mensagem para os(as) Catequistas



Querido e querida Catequista!

É a primeira vez que estou me comunicando com você catequista desde que assumi a presidência da Comissão Episcopal para a Animação Bíblico Catequética. E faço-o até comovido, sabendo o que significa cada catequista na nossa Igreja no Brasil. O que seria da nossa Igreja espalhada por todos os recantos do imenso território brasileiro sem os/as catequistas? Somos indispensáveis na educação da fé apostando no sentido pleno da vida.

Aliás, falando da fé, as atuais Diretrizes Gerais da Igreja no Brasil – DGAE 2011/2015, afirmam no número 37: “A fé é dom de Deus! ‘Não se começa a ser cristão por uma decisão ética ou uma grande idéia, mas pelo encontro com um acontecimento, com uma Pessoa, que dá novo horizonte à vida e , com isso, uma orientação decisiva’ (Bento XVI, Deus caritas est, n.º1). Por sua vez, este encontro é mediado pela ação da Igreja, ação que se concretiza em cada tempo e lugar, de acordo com o jeito de ser de cada povo, de cada cultura. A descoberta o amor de Deus manifestado em Jesus Cristo, dom salvífico pata toda a humanidade, não acontece sem a mediação dos outros (cfe. Rm 10,14)”.

Ainda tendo presente as DGAE, temos duas Urgências na Ação Evangelizadora, que dizem respeito diretamente ao nosso agir bíblico-catequético: temos o grande desafio de tornar sempre mais a nossa Igreja “casa da iniciação à vida cristã” e um “lugar de animação bíblica da vida e da pastoral”. Portanto, trabalho existe e a graça de deus não falha!

PARABÉNS queridos/as catequistas pelo Dia do/a catequista dentro do Mês Vocacional que estamos vivendo. A Igreja no Brasil reconhece com muito carinho essa vocação tão fundamental e apóia o “sim” dado diuturnamente a essa vocação por cada um e cada uma.

Um abraço fraterno, com a benção do nosso Deus Trindade e a proteção de Maria, a educadora da fé por excelência,

 

Dom Jacinto Bergmann,
Arcebispo de Pelotas e
Presidente da Comissão Episcopal Pastoral
para a Animação Bíblico-Catequética
 

sábado, 13 de agosto de 2011

Diocese de Campina Grande realizará o III Seminário Diocesano de Catequese

Acontecerá nos dias 02,03 e 04 de setembro no Centro Diocesano de Formação / TAMBOR na Diocese de Campina Grande o III Seminário Diocesano de Catequese, com o tema CATECUMENATO - Uma experiência de fé. Quem irá assessorar o Seminário será Ir. Juliana Galeno Veras, Miracy Borges e o Pe. Francisco Evaristo Barbosa Filho.

Serão oferecidas quatro vagas para cada Paróquia /Área Pastoral. A coordenação pede para que os participantes sejam Catequistas do Batismo, Crisma, 1ª Eucaristia e Pastoral da Liturgia e, se possível tenham acesso ao texto nº97 da coleção Estudos da CNBB – Iniciação à Vida Cristã ( Um processo de Inspiração Catecumenal) e o R.I.C.A. – Ritual de Iniciação Cristã de Adultos.

Maiores informações através do blog: http://catequesecgdiocese.blogspot.com/

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Diocese de Mossoró: Encontro de espiritualidade marcará Dia do Catequista

A comissão Diocesana de Catequese de Mossoró estará realizando um encontro a fim de suscitar a sublime vocação do Catequista e lembrar deste dia tão importante para a Igreja no Brasil.

O evento será no Centro de Treinamento Libânia Lopes, localizado na rua Melo Franco, em frente à Praça dos Hospitais, em Mossoró/RN. O horário está previsto de 08h às 12h.

Conforme a tradição, a data será no dia 28 de Agosto, último domingo do mês, escolhida especialmente para o catequista.

Os catequistas que desejarem participar, deverão se inscrever com o articulador da sua comunidade ou paróquia, ou ainda com o Padre.


Maiores informações pelo blog: http://catequesemossoro.blogspot.com/

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

O Padre

Houve um tempo em que ser padre era ser tão "importante" numa comunidade como ser prefeito ou delegado. Hoje os tempos são outros, já não vemos mais os nossos padres em eventos e decisões de ordem social. Os fiéis dividem-se em várias denominações religiosas e seus "pastores" espirituais já não são somente os padres. Até algumas décadas, o padre participava até das decisões políticas de uma cidade. Sem, no entanto, serem vereadores, prefeitos, deputados... Como a gente encontra por aí hoje em dia. Ele era uma "autoridade". E não só das coisas divinas como, muitas vezes, das coisas terrenas. Seus conselhos e suas orientações eram imprescindíveis na vida das pessoas. E normalmente, nas famílias mais numerosas, havia sempre um filho que acabava fazendo parte do clero.
E hoje? Será que o padre perdeu o "prestígio"? Pode-se dizer que as pessoas já não procuram mais suas orientações com tanta frequência. Hoje se busca mais as ciências, a psicologia, o aconselhamento matrimonial, remédios para o corpo e não para a alma. Diminuíram o número de fiéis crentes no sacramento da comunhão, mas ainda há quem necessite dos ouvidos bondosos de um padre, da calma serena de seu conselho e de sua bênção divina. Encontramos as secretarias paroquiais e as agendas dos padres abarrotadas de pessoas que precisam "dar uma palavrinha" ou fazer uma confissão "cara a cara" com ele.  Esse fenômeno se explica pelo fato de terem diminuído, em proporção considerável, as vocações ao sacerdócio católico. E parece que, mesmo com a diversidade religiosa dos novos tempos, o número de fiéis não diminuiu!
Mas há outros fatores a se considerar: a explosão demográfica nas cidades e a diversidade religiosa, são só alguns. As comunidades já não são mais o que se pode chamar de “pequenas”, a urbanização nos últimos tempos fez com que a cidade precisasse muito mais de padres. Mesmo com templos e salas de cultos diversos, praticamente um em cada esquina, os padres ainda são muito procurados.
E os padres já nem tem mais tanto tempo para se dedicar aos aconselhamentos. As paróquias hoje em dia são verdadeiras "empresas". Tem inúmeras atividades e funcionários. E precisam ser regidos por leis. O padre hoje, não é mais só o pastor de suas ovelhas. Ele é o administrador de sua paróquia. E "administrador" com tudo que acarreta a função: tomar decisões financeiras, gerir recursos humanos, organizar setores, delegar tarefas, enfim. E muitas vezes ele é um só. E tem que dar conta de tudo, saber de tudo e não raro, decidir tudo. Mesmo os conselhos de pastorais dando uma ajudinha, nada se faz sem a anuência do padre. E o padre ainda tem que dar conta de presidir as celebrações, estudar constantemente e fazer da liturgia uma fonte constante de "alimento" às suas ovelhas. È muita coisa para um homem só!
Por isso, fica aqui minha enorme admiração por estes homens que escolhem dedicar sua vida ao sacerdócio renunciando a tudo pelas coisas de Deus e, porque não, pelas coisas inerentes ao próprio homem: dor, angústia, miséria, dúvida. Ouso dizer que ele tem, sem sobra de dúvida, a mão de Deus a guiar seus passos e mesmo com os tropeços de sua condição de homem, ele é, divino em sua essência.

Parabéns aos nossos Padres, catequistas por excelência, que perseveram apesar de todas as dificuldades! Sua missão e vocação não é pra qualquer um!
 
Angela Rocha

Fonte: http://catequeseebiblia.blogspot.com/

SÃO JOAO MARIA VIANNEY - PATRONO DO CLERO

O “Dia do Padre”, 04 de agosto é consagrado a São João Maria Vianney, ou Santo Cura d’Ars, como ficou conhecido, é o patrono do clero. Ele nasceu na França em 1786. Camponês de origem humilde, desde cedo, percebeu sua vocação ao sacerdócio, mas antes de sua Consagração, chegou a ser um soldado do exército napoleônico.
João Maria Vianney era um cristão íntimo de Jesus Cristo, servo de Maria e de grande vida penitencial, tanto assim que, graças a esta vida de piedade, conseguiu chegar ao sacerdócio, porque não acompanhava intelectualmente as exigências do estudo do latim, filosofia e teologia da época, pelo que seus mestres, desanimados, deixaram até de interrogá-lo. No entanto, sempre se apresentou um modelo de piedade. Em 1815 recebeu as ordens sagradas, mas sem a autorização para confessar, foi enviado a uma insignificante aldeia, com cerca de 230 paroquianos. Era coadjutor do Padre Balley, a quem se atribui o mérito de haver percebido naquele bobo “iluminado” os carismas da santidade. Foi então enviado para Ars como vigário capelão ou cura. Sua vida era de oração, penitência, caridade, cumprindo assim com zelo seu ministério sacerdotal, permanecendo horas e horas atendendo confissões.
Começaram então a acorrer de toda a França, e até do estrangeiro, peregrinos desejosos de se confessar com ele ou de lhe pedir orientação. Desde 1830 até sua morte, acorriam anualmente 100 mil peregrinos a Ars, o que perfazia uma média de mais de 270 por dia. Para atender a tanta gente o zeloso pároco precisava passar no confessionário, de 12 a 18 horas diárias. Levava, ademais, uma vida muito austera e sacrificada.
São João Maria Vianney morreu no dia 4 de agosto de 1859, aos setenta e três anos. Ars foi transformada em meta de peregrinações antes mesmo do Papa Pio XI canonizá-lo. Foi canonizado em 1925 e é venerado como padroeiro dos párocos.

DIA DO PADRE

“Ser padre é ser abençoado e verdadeiramente escolhido por Deus. Sem dúvida nenhuma, somente alguém que tem Deus ao seu lado é capaz de realizar tantos feitos como celebrar a Eucaristia, pregar o Evangelho, acolher os pecadores, orientar e acompanhar como somente um pai pode fazer. Um pai espiritual dado pelo Senhor para nos guiar no caminho da salvação.
Ser padre não é uma tarefa fácil! Deixar tudo é entregar-se completamente nas mãos do Senhor pede vocação, força e fé. Muita fé. O padre é um ser humano sujeito a tentações, fraquezas e também emoções e sentimentos. É claro que, em alguns casos, nem sempre os limites humanos são superados, mas a graça divina e a oração constante são a melhor ajuda para os momentos de dificuldade.
O padre precisa de nós tanto quanto nós dele. Precisa do nosso apoio, colaboração e compreensão; precisa do nosso amor, da nossa amizade e de nossas orações. Precisa que rezemos pedindo que Deus o santifique, ampare e console nos instantes de fraqueza; que Deus lhe dê animo e coragem para seguir confiante e com alegria em sua missão.
Este dia deve ser repleto de agradecimentos e louvor pelo padre que temos. Deve ser o dia de um abraço caloroso e fraternal, de um “muito obrigado” sincero e de festa. Ter um padre em nossas comunidades é uma benção de Deus e isto precisa ser celebrado com muito amor e alegria. Felicidades a todos os padres. Que Deus sempre os abençoe e guarde, hoje e sempre”.


(Palavras do Papa Bento XVI por ocasião da passagem do "Dia do Padre” em 2007).

Fonte: http://catequeseebiblia.blogspot.com/

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Agosto: Mês Vocacional

Tradicionalmente, celebramos o mês de agosto como mês vocacional. A cada domingo, dedicamos nossas orações e nossa atenção a uma das vocações: a vocação ao Ministério Sacerdotal, a vocação Laical, a Vocação à Vida Religiosa. Somos chamados, neste mês a refletirmos sobre esta questão vital para a nossa Igreja: o chamado e a resposta.

Inicialmente, há um Deus que chama, que convoca e propõe algo de concreto: dar um sentido à própria existência, uma direção fundamental e única, idêntica para todas as vocações: a santidade como meta última. Deus nos convoca a sairmos do círculo egoísta de projetar a própria vida tendo como ponto de referência a si mesmo. Fomos criados, e a partir daí, chamados (vocacionados) a orientarmos nossa existência como uma flecha busca seu alvo. Nosso alvo é Deus. Ele, e a comunhão plena com Ele, é nosso único objetivo final capaz de realizar nossa vida nesta terra. Quem atinge este alvo, quem se deixa atrair poderosamente por esta Meta, por este Alguém, que como poderoso imã nos puxa para si, será feliz, realizará sua vida, dando a ela um sentido plenificante. Quem errar esta meta, estará destinado à frustração, ao desencanto de não chegar onde deveria chegar.

Além disso, o chamado de Deus inclui a concretização no fazer da própria vida um dom, um serviço. Chega-se à Meta definitiva através de um caminho concreto: ou oferecendo a própria existência para ser para os demais a imagem e a presença do Cristo Bom Pastor, através da vocação sacerdotal; ou vivendo a vocação laical, no meio das realidades humanas, quer constituindo através do Sacramento do Matrimônio, uma família fundada no amor humano, elevado por Cristo à dignidade e condição de Sacramento de Salvação, quer vivendo esta vocação laical sem assumir o Sacramento do Matrimônio, dedicando-se a alguma forma de serviço dos demais; ou então assumindo de forma absoluta, a vocação à vida religiosa, sendo sinal da presença de Cristo no meio da Igreja e do mundo, e vivendo a radicalidade dos Conselhos do Evangelho: a obediência , a castidade e a pobreza.

Tantos caminhos, tantas possibilidades… Deus, na riqueza de seu amor por nós, nos chama à felicidade plena e nos oferece os meios para que possamos atingi-la.

Aproveitemos bem este mês vocacional. Rezemos e reflitamos bastante sobre o que Deus quer de nós e qual tem sido a qualidade de nossas resposta.

E de uma maneira especial, peçamos ao Senhor da messe e Pastor do rebanho que continue a inspirar muitos jovens a serem sensíveis ao Chamado e generosos na Resposta.

Vale a pena oferecer a própria vida por Cristo, a serviço de Seu Reino de Amor e de Paz.
 
 
D. Antonio carlos Rossi Keller
Bispo de Frederico Westphalen - RS
 

CADASTRE AQUI SEU EMAIL E RECEBA NOSSAS NOVIDADES