terça-feira, 17 de maio de 2011

Transgredir… também pode ser bom!..

Quando falamos de transgressões, facilmente somos levados a pensar numa visão negativa e a pensar mal da pessoa que transgride. Evidentemente que essa realidade pode estar presente. Mas não haverá uma perspectiva mais positiva da transgressão? Transgredir, de trans-gredior, significa dar um passo além de. Só quem ousa transgredir, de uma forma responsável, encontra novos caminhos, jamais trilhados. Falo de responsável, porque exige-se consciência e reflexão. Pode não sair bem à primeira, mas deixa um trilho. Devemos aprender a ter uma atitude crítica que nos leve a questionar e a procurar novos caminhos.

Uma história para ajudar a refletir:

A tartaruga acaba de deixar o seu esconderijo para um passeio nocturno. O sapo vê-a a sair de casa àquela hora, e adverte-a: “A esta hora não é muito aconselhável sair, tartaruga”. Mas a tartaruga continua, e, arriscando um passo mais longo, vê-se virada de patas para o ar, sobre a sua própria couraça. O sapo exclama: “Eu bem te avisei, tartaruga; é uma imprudência sair a esta hora; morrerás aí!” “Bem sei, mas é a primeira vez que estou a ver o céu estrelado!”


Pe José Carlos de Azevedo e Sá.
Pároco das paróquias Sequeirô e Lama, Santo Tirso, Diocese de Braga

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CADASTRE AQUI SEU EMAIL E RECEBA NOSSAS NOVIDADES